Explorando as maravilhas da Islândia - Gypsy Warrior
Cachoeira da Islândia

Explorando as maravilhas da Islândia

Ouça (voz em inglês)

Os pôneis da Islândia são uma raça de cavalo nativa da Islândia. Eles são pequenos em tamanho, geralmente medindo entre 13 e 14 mãos de altura, e são conhecidos por sua natureza resistente e resistente. Os pôneis da Islândia têm uma pelagem espessa e dupla que os ajuda a resistir às condições frias e úmidas do clima islandês.

Os pôneis islandeses são usados ​​para uma variedade de propósitos na Islândia, inclusive como animais de trabalho em fazendas, como montar e conduzir cavalos e como animais de competição em vários esportes equestres. Eles são conhecidos por seu temperamento calmo e dócil e são adequados para crianças e iniciantes.

Além de seus usos práticos, os pôneis islandeses também são uma atração popular para os turistas que visitam a Islândia. Muitas vezes, eles podem ser vistos pastando em pastagens ou participando de demonstrações tradicionais de equitação islandesa.

No geral, os pôneis da Islândia são parte integrante da cultura e da história do país e são uma parte importante da vida na ilha.

Não é incomum ver casas solitárias em penhascos à beira-mar na Islândia, principalmente nas áreas mais remotas e isoladas do país. Essas casas geralmente estão localizadas em locais dramáticos e de tirar o fôlego, com vistas deslumbrantes do oceano, das montanhas e da paisagem circundante.

Uma das razões pelas quais essas casas estão localizadas em locais tão remotos e isolados é devido ao clima desafiador e rigoroso da Islândia. O país tem um inverno longo e frio, com ventos fortes e temporais frequentes, o que pode dificultar a construção e manutenção de casas em certas áreas. Como resultado, muitas dessas casas estão localizadas em locais mais abrigados, como em falésias à beira-mar ou em vales, onde ficam protegidas das intempéries.

Apesar de sua localização isolada, essas casas costumam ser bem equipadas e confortáveis, com todas as comodidades necessárias para uma vida moderna. Eles são normalmente usados ​​como residências durante todo o ano pelos residentes locais ou como casas de férias pelos turistas.

No geral, as casas solitárias nas falésias à beira-mar da Islândia são uma característica distintiva da paisagem do país e oferecem um vislumbre do modo de vida desafiador, mas recompensador, nesta parte única e bela do mundo.

A Islândia tem muitas ravinas longas e estreitas que terminam em um lago. Essas ravinas, conhecidas como “desfiladeiros” em islandês, são uma característica comum da paisagem islandesa e são frequentemente formadas por erosão glacial.

Um exemplo bem conhecido de uma ravina longa e estreita que termina em um lago na Islândia é o desfiladeiro de Fjaðrárgljúfur, localizado no sudeste do país. Este desfiladeiro tem aproximadamente 100 metros de profundidade e 2 quilômetros de extensão e é cercado por altas falésias e cachoeiras. O desfiladeiro termina num pequeno lago ao fundo, que é alimentado por uma série de cascatas que descem pelas encostas das falésias.

Outras ravinas longas e estreitas que terminam em um lago na Islândia incluem o desfiladeiro de Þórsmörk, localizado no sul do país, e o desfiladeiro de Vatnajökull, localizado no leste. Esses desfiladeiros também são conhecidos por seu cenário dramático e são populares entre turistas e caminhantes.

Islândia para nômades digitais e expatriados

Hallgrimskirkja: descobrindo o marco icônico da Islândia

Jokulsarlon Glacier Lagoon: a cintilante joia azul da Islândia

Reykjavik: o melhor guia para visitantes e expatriados

Lagoa Azul na Islândia: um oásis relaxante na terra do fogo e do gelo

Islândia para nômades digitais e expatriados

Aurora Adventures: perseguindo as luzes do norte na Islândia

Mais Histórias

As melhores viagens rodoviárias na África do Sul: um diário de viagem

Nossa jornada de 2 semanas para as Ilhas Faroe

Jokulsarlon Glacier Lagoon: a cintilante joia azul da Islândia

Reykjavik: o melhor guia para visitantes e expatriados

Festivais e celebrações sul-africanas: um diário de viagem

Cozinha islandesa: explorando os sabores do Atlântico Norte